Desenroladas


Kelly Reemtsen: Artista questiona padrão de feminilidade em suas obras

Lady.like (adj): Característica de uma mulher bem-educada ou uma menina que adere a normas tradicionais de decoro e feminilidade.

Afinal, o que é ser feminina? A artista Kelly Reemtsen questiona padrões em uma nova série de pinturas na qual representa o contraste de ferramentas com vestidos em estilo “ladylike”.

kelly-reemtsen-paintings-3kelly-reemtsen-paintings-2kelly-reemtsen-paintings-5kelly-reemtsen-paintings-9kelly-reemtsen-paintings-12kelly-reemtsen-paintings-8

Acinturadas e volumosas, estas peças que se tornaram icônicas nos anos 50 e 60 remetem a um comportamento feminino delicado e “dócil”. Basta lembrar da publicidade focada no público feminino realizada na época, que quase sempre trazia uma mulher impecável realizando trabalhos domésticos com graça e desenvoltura.

Perceberam que a voz em “off” é masculina?

Voltando ao presente, Reemtsen apresenta ao olhar público a misoginia camuflada em nossa sociedade. Ao olhar para estas telas e ver um paradoxo, o que será que causou contraste: uma mulher com vestido sofisticado com uma ferramenta em punho; uma mulher aparentemente de classe alta realizando um trabalho manual e “pesado”; uma mulher com um objeto “masculino”?

As possibilidades de percepção são diversas e cada uma revela nuances diferentes de um mesmo problema: o preconceito. Por mais coloridas que sejam as telas de Kelly Reemtsen, é um lado obscuro do ser humano que está sendo posto como foco.