Desenroladas


Curso jornalismo de moda com Camila Yahn: como foi

14290040_1281996495144827_8142063098226527459_o

Existem investimentos que sempre vale a pena considerar fazer: viagens e conhecimento. Foi ciente disso que, há alguns dias, resolvi investir em um curso de “Jornalismo de Moda” promovido pelo Instituto Rio Moda, no Rio de Janeiro. O nome da palestrante era Camila Yahn, editora de duas plataformas de conteúdo que adoro e consumo, o portal FFW e a revista FFW Mag. Eu tinha onde ficar, contei ali os trocados, me inscrevi e parti para a cidade maravilhosa.

Apesar da ansiedade em conhecer a editora, sabia que estava investindo também em uma “refresh” na mente profissional mais do que em novidades dentro do que já vivi como jornalista cobrindo moda. Além, claro, de uns dias exercitando a “carioquisse”. O contato com a Camila, eu imaginava, seria o super trunfo do curso. E de fato foi!

14232033_1281995835144893_5240456374773464108_o

Camila tem uma história muito bacana dentro do jornalismo de moda. Formada em artes cênicas, tornou-se amiga de Erika Palomino nas noites eletrônicas paulistanas e, aos 25 anos, foi trabalhar ao lado dela na coluna da Folha. Foi ao lado de Erika que Camila aprendeu muito sobre coberturas e, principalmente, sobre identidade na escrita e crítica de moda. Hoje, aos 41, edita o portal e a revista sempre com um olhar múltiplo para a moda e atento aos movimentos comportamentais contemporâneos.

Durante as aulas, Camila passeou pela sua trajetória, pela história das publicações de moda, pelas possibilidades dentro de uma cobertura de moda, pelos assuntos que a moda costuma abranger, pelas referências que é preciso pesquisar e, finalmente, pela crítica de moda. Um conteúdo super bacana mas que, no entanto, acrescenta muito mais a um iniciante no mercado (como de fato era formada a maioria dos alunos). Os olhos deles brilhavam e notava abrir bastante a cabeça deles para todas as possibilidades dentro do jornalismo de moda.

Para mim, valeu o contato com a Camila e a possibilidade de uma troca tão próxima com alguém como ela. Ao final, escrevi uma crítica de um desfile do Ronaldo Fraga (que postarei aqui) e pude partilhar do meu texto com ela. Saí orgulhosa do trabalho e feliz com os elogios da editora.

14257496_1281995705144906_1913465209807311354_o

Porém, mesmo com toda a carga positiva de quem ministrou o curso, senti que o investimento foi muito alto para o que foi ofertado. Acostumada a cursos de moda em Fortaleza como o Maxi Moda, a Limonar e até o recém-criado curso da Voir Image, fui pega de surpresa com uma estrutura bem precária do local selecionado para o workshop. Cadeiras ultra-desconfortáveis e sem braço de apoio, ambiente barulhento (estava, inclusive, em obras no primeiro dia), lanche fraco, zero material gráfico (zero mesmo, nem um mísero bloco de papel) e sem certificado ao final do curso. Valorizo meu suado dinheirinho e sei como pequenos detalhes podem fazer a diferença na hora de conquistar um público.

Sendo assim, caso escolha fazer algum curso pelo Instituto Rio Moda, acredito valer a pena colocar na balança se, de fato, o que será ofertado de conteúdo irá compensar a ausência de estrutura. No meu caso, valeu pela troca com a Camila. Em outros, repensaria o investimento.

Fotos: Paola Azevedo para Instituto Rio Moda