Desenroladas



Sugestões de delivery para salvar o fim de semana

_mg_9678-copy

Fim de semana é a cara do delivery. Ninguém merece cozinhar, lavar louça ou, pior, sair de casa atrás de um restaurante num dia mundial da preguiça, né? Por isso, fizemos um apanhado super bacana dos nossos deliverys favoritos em Fortaleza. Ó, aproveita que hoje é domingo e já cata a nossa dica:

Corleone Delivery

Destinada apenas para o delivery, essa é a nossa nova pizza favorita. O dono do local, Lucas Donadel, já possui experiência no ramo, pois é proprietário do Donadel Food Truck, e resolveu unir o clássico e o contemporâneo para a Corleone.

Os ingredientes das pizzas são frescos, plantados numa hortinha própria, molhos caseiros feitos diariamente e matéria-prima escolhida a dedo para resultar na melhor e mais deliciosa pizza. Fica a dica: perfeita para um domingo à noite assistindo Netflix!

_mg_9674-copy

Ma Che!

O Ma Che! é um foodtruck especializado em pizzas e massas de todos os tipos. O conceito é trazer uma experiência italiana para quem provar suas delícias, sempre acompanhadas de uma boa garrafa de vinho.

Então, se você tá aí de bobeira e com desejo de comer uma massa, o Ma Che! recentemente lançou o seu serviço de delivery.

13010701_694573600693429_6662805949721763429_n

14520540_768822733268515_2079849509480682406_n

Creps

Quem não conhece o Creps, nunca deu uma passeada ali pela parte nova do Shopping Iguatemi. Não faz muito tempo que a franquia mineira se instalou aqui em Fortaleza e já ganhou nossos corações: massa fininha, crepe feito e temperado na hora, e uma variedade incrível de recheios.

Pra quem não curte crepe, também tem wrap, tapioca, salada e waflle. Recentemente, a loja também lançou o delivery tanto pelo telefone quanto pelo aplicativo iFood. A comida chega quentinha, rápido e numa caixinha que não deixa nada fora do lugar!

captura-de-tela-2016-10-07-as-12-35-05

Quotidiano – Cozinha Criativa

O restaurante Quotidiano é um self-service super charmosinho que funciona todos os dias da semana. Além do ambiente super bacana, a comida é leve, com gostinho de casa e sempre com opções super variadas.

Pra quem não dispensa a comida de panela, mas não quer lidar com a louça, o delivery do Quotidiano é a melhor opção!

captura-de-tela-2016-10-07-as-12-39-31

captura-de-tela-2016-10-07-as-12-39-43

Alô, Caranguejo?!

De quinta a sábado o delivery do Alô, Caranguejo mata a sua vontade de frutos do mar. A caranguejada chega quentinha, bem embalada e acompanhada do molho verde com farofa.

Além do tradicional caranguejo, o delivery também tem caldo de sururu e camarão ao alho e óleo.

captura-de-tela-2016-10-07-as-12-51-33

captura-de-tela-2016-10-07-as-12-51-51

Seu Valdomiro

Seu Valdomiro é um serviço especializado em delivery de bebida. O vinho acabou ou a cerveja não deu pra todo mundo? É só dar uma ligadinha ou fazer o download do aplicativo para o seu smartphone que o Seu Valdomiro resolve o problema!

captura-de-tela-2016-10-07-as-12-56-31

Mahalo Poke

Quem curte comida havaiana levanta a mão? Esse é mais um foodtruck com  um serviço de delivery incrível! A entrega funciona todos os dias da semana, a partir das 18h e com alguns cliques no iFood você resolve a sua fome.

14601011_560290454179970_4407326242320113325_n

A Sopa

E se você prefere algo quentinho e mais leve, também temos opção de sopa. A Sopa Delivery é especialista em delivery sopas congeladas feitas de forma mais saudável. Com produtos naturais e opções sem lactose e sem glúten, o serviço é super rápido (sério, eles te atendem via whatsapp!) e é uma ótima opção para estocar alguns sabores diferentes e ir jantando durante a semana inteira!

13511983_630670617095965_5535009229393154265_n

Açaí Parajuá

Tava sentindo falta da sobremesa, hein? O Açaí Parajuá além do próprio açaí, também tem opções de delivery pra quem não dispensa uma sobremesa ou um doce no meio da tarde.

Lá você também encontra opções de creme de morango, cupuaçu e leite de ninho, e mais de 30 toppings diferentes pra você adoçar ainda mais o seu dia!

13312921_1741612802746997_1256042156580762443_n

Curtiu nossas dicas? Compartilha com a gente qual o seu delivery favorito!

Camisetas em campanha do Outubro Rosa

4a0a0994-copy

Fotos: Rafa Eleutério

Essa foto não é só mais um look. Ela carrega um valor muito especial para nós. Isso porque as camisetas que estamos vestindo foram desenvolvidas em uma campanha colaborativa do Outubro Rosa realizada pela T-shirt in Box, por nós Desenroladas e pelo coletivo feminista Luz de Dandara.

Ao comprar a t-shirt, disponível nos tons rosa e branco, você ajuda o Instituto do Câncer do Ceará (ICC): 50% da renda arrecada com a venda deste modelo será revertida para a instituição. A camiseta está disponível nas lojas das T-Shirt in Box!

O Outubro Rosa é uma campanha global de  conscientização que tem como objetivo principal alertar a sociedade sobre a  importância da prevenção e do diagnóstico precoce do  câncer de mama.

E você, já fez o autoexame hoje?

4a0a1010 4a0a0978

T-Shirt in Box
Av. Dom Luís, 820 – Fortaleza (CE)
3067-4048
http://www.tshirtinbox.com.br/

The Get Down: nascimento do hip hop

É o fim dos anos 1970 em Nova York, em meio às rebeliões pelos direitos da comunidade negra, um novo som nasce nos guetos, ruelas e boates do Bronx. É o hip hop que, além de um novo estilo musical, conta a história dos tantos negros que viveram na época de seu surgimento.
Essa é só uma pincelada, mas esse é o principal mote da nova série da Netflix, The Get Down (e que nós a-ma-mos, diga-se de passagem). Mas The Get Down não é só isso: é moda, muita música além do hip hop, arte, história e empoderamento de minorias.

Nem só de boca de sino viveram os 70s

A década de 1970 é conhecida pelas estampas vivas, bocas de sino e sapatos lustrosos. De um lado, os hippies “flower power” e, do outro, como mostra o seriado, a comunidade negra incorporando novas “tendências”no legado da moda deixado pelo movimento Motown. Quem conhece um pouco de história, sabe que essa época foi um período de transição na moda: os sapatos lustrados deram espaço aos tênis esportivos, os ternos viraram bomber jackets e o moletom passou a ganhar mais espaço nos guarda-roupas das famílias do Bronx.

Atenção para a cultura dos tênis, onde o personagem “Dizzie”, vivido pelo Jaden Smith, sempre fala dos “impecáveis Pumas” do grafiteiro e aprendiz de DJ, Shaolin Fantastic.
1
Freestylin

Foi exatamente nessa época que esse estilo passou a ganhar visibilidade e força. Os DJs, que passaram a dispensar as músicas prontas dos vinis e começaram a criar suas próprias mixagens, sempre estavam acompanhados de um “poeta”: alguém que, além de animador da festa, também estava pronto para soltar o verbo, improvisando letras e rimas no ritmo da música. Podemos dizer que esse foi o ponto de partida para o nascimento do Hip Hop.

A série também contextualiza o sucesso da Disco Music, onde a cantora Donna Summer é uma grande referência para as personagens femininas, a transformação da música gospel que passa a inserir elementos do pop e a popularização do estilo punk rock. Além do conceito histórico musical, o roteiro do seriado também explora a concorrência e troca de experiência entre os movimentos, além de mostrar a perspectiva quanto ao consumo da época e a produção independente.

Muito além da música: grafite, poesia e cinema

Quando uma minoria é excluída, ela necessita criar sua própria identidade. E foi assim com o marginalizado grafite, um personagem central para a história do seriado e dos anos 1970. Assim como o hip hop, o estilo artístico aborda a cultura da territorialidade que existe nas esquinas do Bronx, onde ela é conquistada por meio do talento e do respeito.
Outras referências culturais da época também são fortes, como os filmes de artes maciais, de ação e as HQs de super-heróis.
A poesia também é um forte elemento da trama. O seriado é contado pela perspectiva do personagem Ezequiel, interpretado por Justice Smith, um grande poeta, que possui o dom da palavra e descobre como pode usá-la para fazer música, além contar em forma de rap a história de toda uma década.
2
O futuro é negro, feminino, gay e livre
A década de 1970 pode ser caracterizada por uma só palavra: diversidade. Além de ser um momento de transição e de grande diversidade artística, também é um período de diversidade étnica e sexual. E o seriado consegue retratar essa pluralidade de forma direta e sem precendentes.
A história se passa na comunidade negra e porto-riquenha na periferia de Nova York, onde a maioria dos seus personagens são negros, latinos, pardos e contam sua história em magníficos black powers. Fora isso, o roteiro também retrata a cultura gay vivida no período: o inícios das baladas gays, dos “Ballrooms” e Vogue Battles, um estilo de dança baseada em poses e muito glamour, popularizada antes mesmo de Madonna.
3
Depois de tantos motivos, você precisa de mais algum motivo para ir correndo assistir The Get Down? 😉