Desenroladas


Viagem: O que fazer na Ilha do Combu no Pará

A Ilha do Combu é uma Área de Proteção Ambiental (APA) que fica a 1,5 km de Belém. Acessível por barco, ela fica nas margens do Rio Guamá e as principais fontes de renda da população (que conta com 1.800 habitantes) é a pesca artesanal, o extrativismo vegetal, principalmente do açaí in natura, e o turismo. O lugar é pequeno, mas a beleza e a energia da natureza são indescritíveis e valem muito o passeio. Gente, é um pedaço de Amazônia! Isso por si só já é argumento suficiente. Mas vale ressaltar que se trata de uma viagem “roots”. Não vá esperando muitas mordomias, porque o Combu traz justamente um convite para a simplicidade: de um banho de rio com vista para o pôr-do-sol à uma festa estilo “aparelhagem” em casa de palafita.

Os principais pontos de visitação para os turistas são: o restaurante Saldosa Maloca (assim mesmo, com um erro de grafia que virou charme e diferencial), com suas comidas típicas que incluem bolinho de filhote (peixe típico da região), muitos frutos do mar e o açaí delícia direto da fonte; Filha do Combu, agricultora local que vende produtos com chocolate 100% cacau retirado de lá; Projeto Street River que levou a arte urbana para a Amazônia e do qual falei mais aqui.

Como chegar: Através de barco. O porto fica na Praça Princesa Isabel, no bairro do Condor, em Belém. A travessia dura em média 15 minutos.

O que fazer: Tomar banho no Rio Guamá, apreciar a flora amazônica, almoçar no restaurante Saldosa Maloca, comer brigadeiro 100% cacau na Filha do Combu, conhecer o Projeto Street River e ver o pôr-do-sol de uma das malocas de palafita ao som de um bom reggae pedra ou de músicas de aparelhagem (festa típica de Belém).

Quando ir: nos fins-de-semana.

Fotos: Clara Dourado e Lia Baquit | Vestido, body e short: Ahazando | Sandália slider: Melissa